Sua igreja precisa do seu canto

De Livros e Sermões Bíblicos

Recursos relacionados
Mais Por Nick Aufenkamp
Índice de Autores
Mais Sobre Admiração
Índice de Tópicos
Recurso da Semana
Todas as semanas nós enviamos um novo recurso de autores como John Piper, R.C. Sproul, Mark Dever, e Charles Spurgeon. Inscreva-se aqui—Grátis. RSS.

Sobre esta tradução
English: Your Church Needs You to Sing

© Desiring God

Partilhar este
Nossa Missão
Esta tradução é publicada pelo Traduções do Evangelho, um ministério que existe on-line para pregar o Evangelho através de livros e artigos disponíveis gratuitamente para todas as nações e línguas.

Saber mais (English).
Como podes Ajudar
Se você fala Inglês bem, você pode ser voluntário conosco como tradutor.

Saber mais (English).

Por Nick Aufenkamp Sobre Admiração

Tradução por Doris Korber

Review Você pode nos ajudar a melhorar por rever essa tradução para a precisão. Saber mais (English).


Os irmãos e irmãs da sua igreja local precisam de você. Carecem da sua presença. Necessitam do seu engajamento. E, talvez mais do que muitos imaginem, precisam que você cante.

O canto congregacional pode ser polarizador. Para alguns, trata-se da parte favorita dos cultos. Outros preferem chegar quando a banda está encerrando sua participação e o sermão está prestes a começar. Se você faz parte desse segundo grupo, talvez o problema esteja em se sentir inseguro demais em relação à sua voz, ou em não se identificar com o estilo de música moderninho que seu ministro de música tende a escolher.

Qualquer que seja o seu motivo, quero que você saiba que sua igreja sofre com o seu silêncio.

Alcançando o coração

A Bíblia está cheia de cânticos e hinos. Eu não me surpreenderia nem um pouco se descobrisse que as palavras do Senhor ao criar o mundo se parecessem mais com um cântico do que com uma palestra. As primeiras palavras de Adão a Eva são uma linda poesia (Gênesis 2.23). O maior livro da Bíblia é uma coletânea de hinos. E, em no mínimo uma ocasião, se não mais, o apóstolo Paulo cita ou elabora o que parece ter sido um hino cantado pelos primeiros cristãos (Colossenses 1.15-20). O próprio Jesus cantou (Mateus 26.30; Marcos 14.26).

E há boas razões para isso: cantar estabelece uma conexão singular entre nossas mentes e nossos corações, nosso intelecto e nossas afeições. É basicamente isso que Paulo diz em Colossenses 3.16, ao associar o desejo de que “habite ricamente em vocês a palavra de Cristo” com “[cantar] salmos, hinos e cânticos espirituais”. Bons cânticos levam as verdades que pairam em nossas mentes a lançar raízes profundas, para que nosso coração passe a meditar nelas.

Percebemos o poder do canto quando entoamos hinos como o famoso “Sou feliz com Jesus”, de Horatio Spafford. Quando chegamos à terceira estrofe, é impossível ignorar a solenidade do verso: “Meu triste pecado por meu Salvador foi pago de um modo total...” No entanto, de repente os tons menores da primeira parte cedem aos brilhantes acordes maiores da segunda metade, e então declaramos com fé: “... Valeu-me o Senhor, ó que amor sem igual! Sou feliz, graças dou a Jesus!” E, na medida em que cantamos, sentimos que essa mudança na música abre nossos corações, levando-os a alcançar altitudes proporcionais à glória dessa verdade.

É claro, poderíamos declamar o texto, e a verdade neles certamente nos inspiraria a adorar. Mas os elementos rítmicos e melódicos capturam nossos sentimentos de uma forma transformadora incomum à fala.

Ensinando e exortando

No entanto, o canto congregacional não trata apenas de envolver nossas emoções. Isso faz parte, mas há muito mais. Em Colossenses 3.16, Paulo também instrui os cristãos na igreja para que “ensinem e aconselhem-se uns aos outros com toda a sabedoria”, indicando que o canto congregacional é uma das formas de fazer isso. Em Efésios 5.19, Paulo explicita a insinuação de Colossenses 3.16, ordenando que os crentes “[falem] entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais”.

Cantar é vital para a edificação da igreja. E não basta ter apenas alguns poucos cantando – Paulo diz que você deve cantar para o bem de seus irmãos e irmãs. Mas como sua voz pode beneficiar sua igreja – especialmente se, ao cantar, ela inspira uivos caninos?

A força da sua participação no canto congregacional não está na qualidade musical, mas no testemunho da sua voz a respeito da fidelidade de Deus. Sua participação indica aos que estão à sua volta que você ama Jesus e confia em seu evangelho. Ao cantar “Pois, em teu sangue lavados, nós temos perdão do Senhor!” com alegria, você está exortando as pessoas em torno a agarrar-se a essa preciosa verdade. Ao cantar sobre o pecado e a salvação, você está ensinando a verdade do Evangelho a sua igreja, cônjuge, filhos, amigos e vizinhos.

Declarando sua fidelidade

Mas, e quando não temos vontade de cantar? Quando a alma está abatida, e a fé, vacilante? É nesses momentos que a igreja mais precisa ouvir a sua voz.

Diante do pano de fundo da nossa fraqueza, o Evangelho brilha com força total. Devemos cantar quando tudo vai bem e a vida caminha sem dificuldades – mas ninguém se surpreenderá muito se o fizermos. Quando tudo está bem, é estranho não cantar.

No entanto, quando a vida está desmoronando e as provações ameaçam sua segurança, então é que seu canto se transforma em um poderoso testemunho sobre a fidelidade de Deus.

É provável que na sua igreja os líderes do canto congregacional estejam lá na frente, no palco. Mas nem sempre os líderes mais proeminentes serão os de maior influência. Na verdade, ao longo dos anos em que já atuei como líder de louvor, descobri que os maiores inspiradores do canto congregacional estão quase sempre nos bancos:

São essas as pessoas que, com a sua voz, inspiram minha fé tanto quanto qualquer bom sermão. O que eles fazem com sua declaração a respeito da fidelidade de Deus ao participarem no canto congregacional desperta em mim um amor pelas verdades cantadas que eu nunca sentiria se estivesse cantando sozinho. O canto dos santos que sofrem vivifica a minha alma.

Portanto, quando a música começar nesse fim de semana, não subestime o que acontece quando você canta. Você estará dedicando seu coração, ensinando quem está próximo de você (e recebendo o ensino da parte deles) e declarando a fidelidade de Deus. É possível que o simples ato de elevar a voz ao cantar seja a forma mais significativa pela qual você servirá na igreja nesse domingo.