Sua bíblia é uma mina de ouro

De Livros e Sermões Bíblicos

Recursos relacionados
Mais Por Jon Bloom
Índice de Autores
Mais Sobre The Bible
Índice de Tópicos
Recurso da Semana
Todas as semanas nós enviamos um novo recurso de autores como John Piper, R.C. Sproul, Mark Dever, e Charles Spurgeon. Inscreva-se aqui—Grátis. RSS.

Sobre esta tradução
English: Your Bible Is a Gold Mine

© Desiring God

Partilhar este
Nossa Missão
Esta tradução é publicada pelo Traduções do Evangelho, um ministério que existe on-line para pregar o Evangelho através de livros e artigos disponíveis gratuitamente para todas as nações e línguas.

Saber mais (English).
Como podes Ajudar
Se você fala Inglês bem, você pode ser voluntário conosco como tradutor.

Saber mais (English).

Por Jon Bloom Sobre The Bible

Tradução por Mayumi Adati

Review Você pode nos ajudar a melhorar por rever essa tradução para a precisão. Saber mais (English).


A palavra de Deus habita ricamente naquele que nela habita tempo o suficiente para descobrir suas riquezas (Colossenses 3:16). A Bíblia é a mina divina que contém o pote de ouro da teologia. Qualquer livro teológico baseado nela é somente uma fração das riquezas imensuráveis da Bíblia. Esta é a razão pela qual não haverá fim para as publicações teológicas.

Uma maravilha sobre essa mina é que regularmente achamos tesouros em lugares inesperados. Deus ama enlaçar e construir camadas de riquezas reveladoras aonde, primeiramente, parecia uma narrativa história relativamente direta.

Um exemplo está no relato de Jesus e Pedro andando sobre a água em Mateus 14: 22-23. Esse passeio aquático é espantoso. Mas se não formos cuidadosos, iríamos ver somente o óbvio ouro e perder muito mais. Aqui estão algumas pepitas de ouro menos óbvias que encontrei cavando recentemente nesta passagem.

Jesus nos faz enfrentar ondas fortes no escuro

Jesus “fez” com que os discípulos entrassem no barco (Mateus 14:22). No momento, eles provavelmente não deram muito importância para isso. Não era um direcionamento incomum do Mestre. Mas retrospectivamente, ficou claro que Deus conscientemente os enviou para enfrentarem um vento adverso a noite toda.

Depois de um dia exaustivo de ministério (alimentando os 5 mil), Deus não os guiou a descansarem em águas tranquilas, mas a remarem contra as ondas batendo durante a maior parte da noite. O Senhor soberano, as vezes, intencionalmente, nos envia quando já estamos cansados de lutar contra adversidades no escuro desorientador.

Jesus vem de formas inesperáveis em horas inesperadas

Quando Jesus finalmente veio aos discípulos, ele veio de uma forma completamente inesperada – andando sobre a água. Isto os pegou tanto de surpresa que eles nem o reconheceram a primeira vista (Mateus 14:26). Além disso, Jesus só apareceu na “quarta vigília da noite” (Mateus 14:25) – entre as 3 e 6 horas da manhã.

Os discípulos cansados estavam enfrentando o vento e as ondas (e provavelmente uns aos outros) por longas horas escuras. Não há dúvidas que eles oraram pela ajuda do Senhor. Nas palavras do apóstolo João, assim que Jesus chegou até eles e entrou no barco, “logo o barco chegou à terra para onde iam” (João 6:21). Isso deve ter acontecido como um alívio bem vindo, mas note que este alívio não foi provido até que eles estivessem extraordinariamente cansados.

Quando Deus vem até nós no momento da necessidade, Ele pode chegar de maneira inesperada, irreconhecível, amedrontadora e mais tarde do que esperamos.

Peça a Jesus coisas impossíveis

O pedido de Pedro a Jesus foi ultrajante. Pode ser que esta história seja tão familiar ou tenha sido nos contada tão naturalmente que não nos choque. Se isso for verdade, precisamos de olhos novos. Nós precisamos colocar nossas pessoas, privadas de sono, naquele pequeno barco sacudido pelas ondas na calada da noite, sentindo o mar açoitado pelo vento borrifando nos nossos rostos, enquanto semicerramos a coisa mais estranha que já vimos – Jesus de pé a 3 metros de distância na água arfante como se fosse terra firme.

Imagine nossos nervos a ponto de um terror induzido pela adrenalina. Nós pediríamos para sair do barco e nos juntarmos a Jesus sobre as águas? Podemos melhor responder essa pergunta, ao questionar a nós mesmos agora, quão frequentemente, temos pedido a Jesus o privilégio de arriscar o humanamente impossível com ele. Jesus pode ter admoestado Pedro por ter “pouca fé” (Mateus 14:30), mas Pedro foi um gigante da fé naquele momento, comparado com os outros onze. Ele foi o único a pedir para fazer o impossível com Jesus. E Jesus concedeu seu pedido com prazer.

Deus se alegra quando pedimos a ele que nos permita sair da segurança do nosso “barco”, a fim de realizar o impossível com Ele, e Ele concede tais pedidos.

Jesus responde nossos pedidos soberanamente

Esta história ilustra um mistério profundo: Deus na sua soberania interage com a nossa iniciativa. Note a muito breve mas pesada troca entre Pedro e Jesus:

E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. (Mateus 14:28,29)

Existe uma elevada teologia nestas poucas palavras. Pedro reconheceu Jesus como o Senhor soberano de toda a natureza, quem estava comandando as águas, para suportá-lo. Pedro também sabia que andar sobre a água iria requerer fé, mas ele não confundiu sua fé como o poder que comandaria as águas embaixo dele. Então ele pediu que Jesus ordenasse que ele fosse. E quando Jesus ordenou, Pedro exerceu fé nas palavras de Jesus, e Jesus o honrou. Foi assim como a fé de Pedro o ajudou a andar sobre a água. É verdade que quando a fé de Pedro enfraqueceu, ele afundou (Mateus 14:30).

Mas seu clamor a Jesus por ajuda, provou que ele sabia de onde vinha o poder para levantá-lo, e isto foi uma atitude de fé. E novamente, Jesus respondeu a fé de Pedro, puxando-o para cima. Note que Jesus não chamou nenhum dos discípulos para se juntar a ele sobre a água. Pedro tomou a iniciativa de perguntar a Jesus se ele poderia ir. Desculpe o trocadilho, mas isto é água teológica profunda. Se Pedro não tivesse tido a iniciativa de pedir a Jesus, este aspecto da história poderia ter se perdido. O que pode estar se perdendo da sua história se você não tomar a iniciativa de perguntar a Jesus?

Somente Deus tem o poder para comandar a realidade, mas Ele nos encoraja a pedir o que quisermos em oração (João 15:7) e Ele ama responder à nossa fé, comandando respostas aos nossos pedidos.

Cave, encontre e seja enriquecido

Ah, há muito mais ouro nessa história a ser adquirido, mas tempo e limite de palavras para este artigo, me limitam. Devo conter-me. Vá cavar, encontrar e você será enriquecido. Em apenas doze versos encontramos 4 pepitas teológicas:

  1. O Deus soberano as vezes nos envia, intencionalmente, quando já estamos cansados de lutar contra a adversidade no escuro desorientador.
  2. Quando Deus vem até nós no momento de necessidade, Ele pode chegar de maneira inesperada, irreconhecível, amedrontadora e mais tarde do que esperamos.
  3. Deus se alegra quando pedimos que nos permita sair da segurança do nosso “barco”, para fazer o humanamente impossível com Ele, e Ele concede tais pedidos.
  4. Somente Deus tem o poder para comandar a realidade, mas ele nos encoraja a pedir o que quisermos em oração (João 15:7) e Ele ama responder à nossa fé, comandando respostas aos nossos pedidos.

A bíblia contem mais de 31000 versículos – muito ouro e tão pouco tempo. Nós nunca esgotaremos o ouro contido nela durante nossas breves vidas, mas devemos descobrir tudo o que conseguirmos. O apóstolo João disse, sobre os três anos que passou com o verbo que se fez carne: “Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem.” (João 21:25)

Bem, a palavra escrita está escrita. Mas sobre essa palavra podemos dizer, que se tudo aquilo que ela revela fosse escrito, o próprio mundo não acomodaria os livros que seriam escritos.