Dez Mil Coisas Que Não Podemos Ver

De Livros e Sermões Bíblicos

Recursos relacionados
Mais Por Jonathan Parnell
Índice de Autores
Mais Sobre The Grace of God
Índice de Tópicos
Recurso da Semana
Todas as semanas nós enviamos um novo recurso de autores como John Piper, R.C. Sproul, Mark Dever, e Charles Spurgeon. Inscreva-se aqui—Grátis. RSS.

Sobre esta tradução
English: Ten Thousand Things We Can’t See

© Desiring God

Partilhar este
Nossa Missão
Esta tradução é publicada pelo Traduções do Evangelho, um ministério que existe on-line para pregar o Evangelho através de livros e artigos disponíveis gratuitamente para todas as nações e línguas.

Saber mais (English).
Como podes Ajudar
Se você fala Inglês bem, você pode ser voluntário conosco como tradutor.

Saber mais (English).

Por Jonathan Parnell Sobre The Grace of God

Tradução por Rita Resende

Review Você pode nos ajudar a melhorar por rever essa tradução para a precisão. Saber mais (English).


"A proximidade de Deus é o meu bem", diz o salmista.

Embora os maus prosperem, embora o mal continue, embora as circunstâncias do povo de Deus sejam sombrias, tudo faz sentido na presença de Deus (Salmo 73:17).Lá a alma amargurada é revivida. A atitude bruta é domada. "No entanto," o salmo diz: "estou de contínuo contigo; tu me seguraste pela mão direita. Guiar-me-ás com o teu conselho e, depois, me receberás em glória "(Salmo 73: 23-24).

Do início ao fim, Deus está com seu povo. É o que nos faz diferentes (Êxodo 33: 14-16). Para onde vamos, ele vai. Sempre. A proximidade de Deus é o nosso bem (Salmo 73:28).

Mas também tem o Salmo 74.

Imediatamente após essa decisão de lembrar da presença de Deus, de habitar em sua proximidade, a próxima parcela do salmista chamado Asafe começa assim: "Ó Deus, por que nos rejeitaste para sempre?" (Salmo 74: 1). E se opõe diretamente à boa notícia do salmo anterior. O Salmo 73 diz que a presença de Deus é o nosso bem, mas o Salmo 74 diz:

O inimigo destruiu tudo no santuário! (Versículo 3)
Os teus inimigos bramam no meio dos lugares santos. (Versículo 4)
Lançaram fogo ao teu santuário; profanaram a morada do teu nome. (Versículo 7)
Queimaram todos os lugares santos de Deus na terra. (Versículo 8)

Quando Ele Não Faz Nada

Vocês vêem? A linguagem aqui é sobre a presença de Deus. E a imagem é de destruição. O ataque do inimigo aponta exatamente aquilo que o povo de Deus tem se agarrado para ter esperança. E pior, Deus não parece se importar. Ele não parece estar fazendo nada a respeito. Então, diz o versículo 11:

Por que retiras a tua mão, sim, a tua destra? Tira-a do teu seio e consome-os!

Em outras palavras, Deus, você vê o que está acontecendo? Seus inimigos estão prevalecendo sobre nós e você está com as mãos nos bolsos. Por favor, faça alguma coisa!

Faz sentido para nós, certo? A presença de Deus, exatamente aquilo que os salmos nos ensina a valorizar, estimar acima de tudo, até isso não está fora do alcance do inimigo. Ou está?

Ele Faz Tudo

A mudança vem no versículo 12. "Todavia", diz o salmista - aquela virada gloriosa –

"Todavia, Deus é o meu Rei desde a antiguidade, operando a salvação no meio da terra" (Salmo 74:12). Neste momento de confusão, quando tudo está virado de cabeça para baixo, quando tudo que esperávamos é desmoronado, o salmista pára e se lembra. Ele lembra que, mesmo quando as circunstâncias não fazem sentido, Deus está sempre agindo. Deus está sempre fazendo 10.000 coisas que não podemos ver. Sempre. Ele sabe que Deus age. "Tu dividiste", ele conta, e "Tu quebrantaste" e "Tu esmagaste" e "Tu deste" e "Tu dividiste e "Tu fendeste" e "teu é o dia" e "tua também é a noite" e "Tu estabeleceste" e "Tu formaste e "Tu fizeste" (Salmo 74: 12-17). Ele tira os olhos de si mesmo, do que o cerca, e ele se lembra. 10.000 coisas, ele nos diz.

Porque Ele Fez Isso

E nós sabemos. Nós já vimos isso antes. Temos a imagem completa.

Houve um outro dia em que o inimigo de Deus identificou a coisa exata que o seu povo tinha como fonte de esperança. Foi um dia em que a presença de Deus não só foi saqueada, mas a própria personificação da presença de Deus - Deus conosco - foi violada. Seus inimigos prevaleceram sem restrição. O Filho de Deus pregado na cruz, e o Pai estava com as mãos nos bolsos, assim parecia. Até mesmo o Messias não estava fora do alcance do inimigo. Ou estava?

Veja, foi neste momento de desordem - neste Caos do caos - que tudo "parecia" destruído e virado de pernas pro alto. Mas foi aqui, segundo todos os relatos, quando as coisas estavam acabadas ao máximo, que na verdade elas não estavam acabadas. Parecia que o mal tinha vencido. Que Deus estava morto. Que seus inimigos tinham triunfado. Mas não.

Foi em sua morte, quando a nossa esperança parecia perdida, que Jesus a estava realmente protegendo. Foi quando as trevas cobriram a terra, defronte os gritos do Filho abandonado, que a luz começou a nascer e o Pai realizou seu propósito eterno para o mundo. Muito além do que aparentava, além do que as circunstâncias sugeriam, Deus era quem estava triunfando. Foi confirmado Domingo de manhã.

Então, exatamente quando nós pensamos que ele partiria para sempre, ele foi exaltado como aquele que nunca nos deixaria, nem nos abandonaria - aquele que diria: "Eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos"(Mateus 28:20). Dez mil coisas, lembre-se. E aqui está pelo menos uma.

Sim, a proximidade de Deus é o nosso bem.